Anarquistas – Vampiro A Máscara🥇

Anarquistas são vampiros que rejeitam o status quo da sociedade Cainita. A organização resultante de anarquistas é chamada de Movimento Anarquista, cujas fortalezas tradicionais são Los Angeles, San Diego e San Francisco.

Visão Geral

Anarquista: Um rebelde entre os Membros, sem respeito pelos anciãos. A maioria dos calouros é automaticamente considerada anarquista pelos mais velhos e é desprezada como produto do século XX.

Os Anarquistas se ressentem especialmente do status privilegiado dos anciões da Camarilla e de outras seitas vampíricas; quando o mais velho detém o maior poder em uma sociedade de imortais, a sorte dos neonatos não é feliz. Como tal, eles são naturalmente alvos de recrutamento pelo Sabá.

A maioria dos Anarquistas respeita e defende a Máscara e algumas das outras Tradições, mesmo que eles não respeitem os vampiros que as aplicam ou o sistema que se beneficia delas.

Sob os termos da Convenção de Espinhos, os Anarquistas – como todos os vampiros – eram até o início do século 21 considerados uma facção da Camarilla por seus membros, mas ao contrário do Sabá, eles eram tolerados.

Historia

As origens históricas do Anarquista estão na Revolta Anarquista que deu origem ao Sabá – bem como os movimentos Prometéicos e Furores mais antigos – mas nas noites recentes, eles são principalmente uma turba desorganizada de vampiros mais jovens e Caitiff. “Anarquista” foi originalmente um nome imposto a eles pelos anciãos da Camarilla, uma vez que buscavam derrubar as estruturas de liderança da sociedade Cainita, mas enquanto muitos Anarquistas são de fato anarquistas, o desejo mais tradicional tem sido trazer igualdade e democracia (ou pelo menos meritocracia ) para a sociedade vampírica.

Nas noites modernas, os Anarquistas que foram marginalizados da sociedade vampírica se reuniram sob a bandeira do “Movimento Anarquista”. Este movimento organizado deu seu maior golpe único contra a tirania dos anciões e das seitas durante a Segunda Revolta Anarquista. Durante esta revolução, os Anarquistas libertaram Los Angeles em 1944; dentro de um ano, eles estabeleceram um Estado Livre Anarquista no sul e no centro da Califórnia, derrubando os Príncipes das cidades libertadas e estabelecendo em seus lugares os Barões Anarquistas – que receberam um grau de autoridade muito mais tolerante sobre seus companheiros Anarquistas.

O estabelecimento e a continuação da existência do Estado Livre colocou uma pressão maior nas relações Anarquista-Camarilla do que em qualquer ponto desde a Revolta original. Durante a segunda metade do século 20, o Estado Livre resistiu a constantes incursões da Camarilla e do Sabá. No entanto, os Kuei-jin encenaram uma incursão concentrada na região no final dos anos 1990 com a ajuda de alguns ex-Anarquistas de alto escalão que buscaram preservar a independência da região tanto da Camarilla quanto do Sabá.

O Kuei-jin conseguiu expulsar Jeremy MacNeill, o Barão de Los Angeles, apenas para perder a cidade para uma contra-ofensiva da Camarilla. Agora, a região mantém uma frágil détente entre quatro facções: os Anarquistas no que resta do Estado Livre, os Kuei-jin no Mandarinato da Nova Promessa centrados em São Francisco, a Camarilla com bases em Los Angeles e San Diego e o Sabá ao sul, no México.

Linha do Tempo do V5

Embora enfrentando perdas significativas no início do século, o Movimento Anarquista tem visto uma reavaliação em sua relevância devido ao surgimento da Segunda Inquisição, o banimento da seita da Camarilla e o abandono de seus domínios pelo Sabá para a Guerra da Gehenna. A maioria dos Brujah restantes fora do Movimento juntou-se após a saída de Theo Bell do Conclave de Praga, e uma grande parte do Ministério começou a ficar do lado deles após seu namoro fracassado com a Camarilla. Os muitos caitiffs e sangues-fracos sendo Abraçados continuam a encontrar um lar dentro do movimento, e até mesmo um contingente de Tzimisce mais jovens que procuram se afirmar têm apoiado a causa.

Los Angeles, brevemente considerada um domínio anarquista em declínio, é mais uma vez um foco notável para a atividade da seita. Os Barões da cidade, ressurgidos e encorajados após 2004 com a retirada simultânea da Camarilla, Sabá e Kuei-jin, agora lutam com o recém-transplantado Príncipe Vannevar Thomas e suas políticas restritivas destinadas a combater a SI.

Organização

Os próprios Anarquistas não são uma seita per se; na maioria das áreas, eles eram considerados meramente como uma facção à margem da hierarquia dominante da Camarilla. No entanto, quando o Movimento Anarquista vagamente organizado emergiu ao longo do século passado, eles começaram a estabelecer suas próprias tradições, blocos de poder, territórios e todas as outras armadilhas de uma seita completa.

Em um nível funcional, o Movimento Anarquista tem parentes cumprindo a maioria das funções oficiais reconhecidas pela própria Camarilla. Ou seja, os barões têm seus conselheiros e executores, eles são frequentemente guiados por um conselho de seus pares, alguns deles até têm um círculo permanente de brigões e investigadores para serviço policial e militar. Nenhum desses cargos e posições aparecem na lista de títulos abaixo, no entanto.

Os líderes anarquistas podem ter esses cargos, e uma grande parte da subseita pode reconhecer a necessidade deles, mas isso não significa que eles vão admitir para o resto do mundo vampírico – ou mesmo para sua própria população – que eles existem.

  • Barão – Por sua definição mais simples, um barão é simplesmente o equivalente do Movimento Anarquista a um príncipe. No entanto, eles não são exatamente os mesmos, pois não é incomum para uma determinada cidade ter dois barões reconhecidos, cada um reivindicando uma jurisdição diferente da cidade – às vezes os dois são rivais, mas mais frequentemente, no entanto, os barões trabalham cooperativamente.
  • Emissário – São os anarquistas que devem levar o ramo de oliveira às outras seitas, devem negociar, pechinchar e jogar os jogos de prestação e diplomacia para que o movimento sobreviva. Eles também são chamados de embaixadores, arautos e, pelos membros mais cínicos da seita, dispensáveis.
  • Varredor – O dever de um varredor é simples: ele caminha e observa outros vampiros no território anarquista, registrando nomes e rostos e, quando possível, atitudes, habilidades, ancestrais do clã e qualquer outra coisa que ele possa descobrir. Os próprios barões preferem chamar um vampiro que ocupa esta posição de contador ou mesmo recenseador, mas a maioria dos anarquistas usa os termos varredor, inspetor, Sherlock ou mesmo, ocasionalmente, ábaco.
  • Camaleão – Um título informal, também conhecido como Bond (em homenagem a James), toupeira, submarino ou sub. Um camaleão, simplesmente, são espiões ou qualquer anarquista que detém uma posição de alguma autoridade em uma das outras seitas.

Clãs Anarquistas no V5

Desde o início, o Movimento Anarquista sempre teve representação da maioria dos clãs e linhagens conhecidas, mas conforme a Camarilla e o Sabá começaram a tomar forma, a composição restante do Movimento veio principalmente dos clãs tradicionalmente “baixos” e sem clãs, especialmente os Brujah e Gangrel. Suas saídas formais da Camarilla mais ou menos cimentaram isso. Uma lista mais concisa da maior representação do Clã da seita incluiria:

Membros de outros clãs no Movimento Anarquista às vezes são conhecidos como Malkavianos Desacorrentados, Nosferatu Vermelhos, Toreador Abstrato, Ipsissimus Tremere e Ventrue Livre.

Refrências

  • V20: Vampire: The Masquerade 20th Anniversary Edition, p. 21, 25, 32, 44-45
  • V20: Anarchs Unbound
  • V5: Anarch (book)
  • V5: Vampire: The Masquerade: L.A. By Night
  • V5: Vampire: The Masquerade Companion
  • VTM: Guide to the Anarchs
  • VTM: The Anarch Cookbook
  • VTM: Book of the Damned, p. 123
você pode gostar também
error: Opa! Quer usar nosso conteudo em algum ligar? Manda um Link pra essa pagina! Obrigado!